Precificação De Serviços Médicos

Estabelecer preços em serviços médicos sempre foi uma tarefa árdua, complexa e dúbia. Determinar os elementos do composto de custo, inserir os impostos incidentes, bem como as taxas complementares e por fim auferir lucro sempre foi uma operação indigesta para muitos profissionais de medicina. Por conta disto, a maioria das empresas médicas preferem trabalhar com tabelas de referências de preços e poucas são as que sabem apurar resultados financeiros com precisão.

Saber quanto custa um procedimento médico, com todos os seus elementos de custos contabilizados é privilégio de poucas organizações médicas. A maioria dos consultórios e clínicas médicas contabiliza os seus custos totais e os deduzem das suas receitas e desta forma encontram os seus resultados financeiros.

Somente as grandes empresas médicas possuem departamentos de controladoria e por conta disto detém conhecimento sobre as precificações dos seus serviços médicos.

Em clínicas pequenas e consultórios é muito difícil se precificar os seus serviços médicos simplesmente por um motivo: falta de conhecimentos específicos.

Muitos profissionais de medicina não dão muita importância a estratificação dos seus custos e preferem arredondar seus custos ou então ‘deduzirem’ que assim os são de determinada forma empírica.

Saber quanto custo uma aplicação de gel num exame de ultra-sonografia ou então o custo do soro numa assepsia de procedimentos oftalmológicos, é privilégio de poucas empresas médicas.

Por conta disto, muitos profissionais reclamam que trabalham com loucos, têm mais de cinco empregos e mesmo assim não tem resultados financeiros à altura dos seus esforços.

Precificar os serviços médicos é tão importante quanto realizar essa mesma operação em outros segmentos de mercado.

Nenhuma panificadora que se preze vai atuar no seu mercado sem saber realmente quanto custa cada pãozinho produzido. Nenhum empreiteiro vai apresentar um orçamento de uma obra, sem quantizar o preço do metro quadrado produzido. Nenhum costureiro vai dar o preço de uma confecção de uma camisa, sem saber realmente quanto custa cada peça.

Ora! então porque não se faz a mesma coisa em empresas médicas?

Responder essa pergunta tem sido a preocupação de vários profissionais de gestão de serviços médicos. Vamos a um exemplo prático. Vamos supor os seguintes elementos:

Despesas mensais: R$ 8.000,00
Quantidade de atendimento: 660 (30 ao dia).

A grosso modo pode-se dizer que o custo unitário do atendimento é de R$ 12,12. Todavia, esse cálculo não está correto, uma vez que se deve primeiro contabilizar os custos fixos e a partir destes descobri o custo unitário do atendimento. Vamos supor que dos R$ 8.000,00, os custos fixos estão assim distribuídos:

Custos Fixos: 37%
Custos diretos (materiais) 39%
Custos variáveis (impostos e taxas): 13%
Outros custos: 11%

Para saber o custo real de cada atendimento devem-se abater os custos diretos do custo total. Desta forma teremos (R$ 8.000,00 – R$ 3.120,00 = R$ 4.880,00). Deste composto sabemos que o custo real do atendimento é R$ 7,40.

Isso se justifica, pois o custo com material em empresa médica tem alta variância dentro do grande leque de procedimentos. Muitas vezes, um material usado em gotas num determinado procedimento é mais caro do que um outro utilizado em litros num outro procedimento. É por causa disto que não se pode sumarizar todos os custos e dividi-los pela quantidade total de atendimento.

O correto é descobrir o valor unitário de cada material utilizado em cada procedimento e só então quantizá-lo corretamente.

Vamos supor que o valor do material mais utilização de equipamentos num exame de ultra-sonografia seja de R$ 14,70. Sabendo que o preço do atendimento é R$ 7,40, sabe-se então que o custo do exame é de R$ 22.10. Se o convênio paga R$ 34,00 por esse procedimento o calculo precisa ser mais uma vez refeito, já que os impostos são incidentes sobre o preço da nota fiscal e não sobre percentual do composto de custos.

Nesse caso os valores ficarão assim:

Preço do Procedimento: R$ 34,00
Impostos incidentes: 13% = 4,42
Custos do material: R$ 14,70
Custos fixos/outro: R$ 5,81
Soma: R$ 24,93 – Custo do procedimento. (antes esse custo era R$ 22,10)!
Resultado: R$ 9,07

Note que se não se souber realmente se quantizar os custos e depois precificá-los, a empresa pode estar operando com prejuízos. É, portanto fundamental se saber fazer esses cálculos para só então se dizer se um determinado procedimento médico dá lucros ou prejuízos.

Neste caso em particular, somar tudo e dividir por todos, por certo é errado.

Anúncios
Esse post foi publicado em intercriar. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s